Legislativo faz entrega de medalha Donadelli

Homenagem se destina aos praticantes de tamboréu

Compartilhe!

3 curtiram

Por iniciativa do Vereador Braz Antunes Mattos Neto (Líder do PPS), a Câmara
Municipal de Santos realizou no dia 27/11/07, às 19 horas na Sala Princesa Isabel, a Sessão Solene de entrega da Medalha de Honra ao Mérito Donadelli a vinte e uma personalidades que tenham se destacado no esporte genuinamente santista. Os homenageados foram indicados pela Liga Santista de Tamboréu, nas seguintes categorias:
 
Categoria "A":
- Danilo Alonso Maestre Neto
- Ed Ferreira Neves
- Wilson Gomes de Souza Jr.
 
Categoria "B":
- Daniel de Souza Mehl
- Alexandre Rodrigues da Silva
- Rubens Sérgio Willmersdorf Manoel
 
Categoria "C":
- Antonio Marques Neto
- Carlos Manoel Rodrigues
- Márcio Ricardo Cosme Ferreira
 
Categoria "D":
- José Eduardo Cardoso Filho
- Germano Martins Ramos Filho
- Massayuki Endo
 
Categoria "Infantil":
- Rodolfo Luiz Fernandes
- Athur Lopes Antunes
- Caio Ribeiro de Souza
 
Categoria "Feminina":
- Márcia Cristina Loernz
- Suzy Valéria de Souza César
- Regina Falsetti Pereira Joaquim
 
Serão homenageados ainda três personalidades físicas ou jurídicas que tenham
colaborado de alguma forma para a prática e a memória desse esporte.
 
Delegação campeã no Torneio de Marselha é formada por atletas santistas
 
No início de outubro, Braz apresentou a delegação brasileira campeã da
categoria C do 10º Torneio Internacional de Tamboréu, realizado em setembro
na França, ao Prefeito Papa. Na ocasião, os atletas mostraram os troféus
conquistados pelas equipes masculina e feminina, além de reivindicar uma
quadra para a prática adequada do esporte genuinamente santista e uma sala
para sediar a Liga Santista de Tamboréu.

"Nossos atletas levaram o nome da cidade de Santos para o mundo", destacou o
Presidente da Liga Santista de Tamboréu, Nilton Ramos Augusto. "Precisamos
de uma quadra que permita a disputa de jogos a qualquer hora e de um local
definitivo para uma melhor organização dos trabalhos da Liga".

Para o Vereador Braz, que apresentou diversos Requerimentos sobre o Tamboréu
e é autor do Projeto de Decreto Legislativo que concede a Medalha de Honra
ao Mérito Donadelli, o momento é bastante oportuno para a divulgação do
esporte. "Esses atletas são motivo de orgulho para todos os santistas.
Sinto-me honrado por ter sido procurado pela Liga Santista e continuarei
trabalhando por incentivos e melhorias para a prática do Tamboréu na nossa
cidade, para que conquistas como essas sejam constantes".

DISCURSO DO VEREADOR BRAZ ANTUNES MATTOS NETO NA SOLENIDADE DE ENTREGA DA “MEDALHA DONADELLI”, NA SALA PRINCESA ISABEL DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS, EM 27 DE NOVEMBRO DE 2007.
--------------------------------------------------------------------------------

Srs. e Sras. presentes...

Nos anos 30,  Santos  buscava a sua afirmação como Cidade. De um lado, uma respeitável herança histórica, berço abençoado dos principais movimentos de libertação do povo brasileiro, incluindo a Independência, a abolição dos escravos, o desenvolvimento dos ideais republicanos e os primeiros passos em busca da organização dos trabalhadores.
 
De outro lado, acontecia o auge do comércio cafeeiro e o crescimento das atividades portuárias, desenhando a face econômica de toda uma Região.

A partir de uma fortuna em libras esterlinas, estava em construção o Paço Municipal, símbolo maior  do Poder Político e das nossas intensas batalhas ideológicas.

O processo de urbanização da Cidade anunciava tempos promissores, os espaços eram ocupados velozmente, novas construções se espalhavam, bairros cresciam. Os ternos de linho branco e os chapéus panamás conviviam com os tamancos de madeira e as “ousadas” (para a época)  roupas de banho listradas. E  haviam os esfuziantes e agitados cassinos.

As imensas chácaras à beira mar já estavam dando lugar a construções diversas, configurando a efetiva ocupação da orla das praias. Logo mais, chegariam os prédios  e as nossa vidas nunca mais seriam as mesmas.

O  costume de frequentar praias, tomar banho de mar ou ficar ao sabor do sol é coisa relativamente recente no Brasil, em termos de ciclos históricos. Os barões do café começaram a comprar as áreas  a beira-mar. O velho Caminho do Mar, cimentado na década anterior, trazia gente rica do Planalto com maior frequência, o imaginário popular e os valores culturais estavam em frenética mutação. Pronto: a ocupação das praias tornou-se hábito e costume, comportamento aceito e louvado, representando uma característica marcante da alma santista.

Afinal, o uso de roupas leves ou de pouca ou quase nenhuma roupa determina novos comportamentos, novas regras de convivência. A descontração coletiva nascida nas praias é determinante para explicar o nosso jeito de ser e de encarar a vida.

No imenso e reconfortante espaço natural das praias, a prática de esportes logo virou quase que uma obrigação, um imperativo.  Neste belo cenário de Sete quilômetros de extensão, dois irmãos italianos, Joseph e Luigi Donadelli, que se dedicavam ao comércio de roupas, começaram a chamar a atenção geral por causa da sua peculiar forma de diversão: com um pandeiro de madeira e tampa de couro, procuravam lançar um para o outro, o mais alto possível, uma pequena bola de borracha maciça.
 
Os filhos destas terras santistas sempre foram muito criativos, imaginosos, inventivos. Não tardaria nada e logo aquela brincadeira mezzo italiana mezzo santista transformava-se em um

jogo de verdade, bastando mudar  a direção da trajetória com que a abolinha era lançada.  De tamburello para tamboréu,  o que era  mera distração virou um esporte, o primeiro esporte genuinamente brasileiro.

A partir daí, o Tamboréu evoluiu sem parar, estabeleceu regras, mudou parcialmente o tipo de material usado, fixou limites e quadras, criou sua própria pontuação, gerou clubes. E, mais importante de tudo, despertou este invejável espírito esportivo que faz Santos ser chamada de “a Cidade mais esportiva do Brasil”, atraindo gerações e mais gerações de aficcionados praticantes e simpatizantes.

E tornou-se parte inseparável do cenário praiano.

E tornou-se um misto altamente saudável de confraternização e competição.

E ainda mais: concebido e acalentado nas praias santistas, ultrapassou obstáculos, subiu a Serra e se espalhou pelo mundo.
 
Para que fique registrado, é preciso destacar que em 1954 foi criada a Sub-Comissão Municipal de Tamboréu, ligada à Comissão Central de Esportes da Prefeitura, tornando-o um esporte oficial; que em 25 de agosto de 1966 foi criada oficialmente a Liga Santista de Tamboréu, tendo como pimeiro Presidente o Sr. Alberto Ramos de Almeida Júnior; que há 40 anos o jornal A Tribuna  promove o Torneio Popular de Tamboréu de Praia; e que a Federação Paulista de Tamboréu  foi fundada em 25 de janeiro de 1967, sendo atualmente dirigida por um Cirurgião-Dentista, como eu, o Dr. Pedro de Paula Neto.

E que hoje em dia o Tamboréu é praticado, além da Baixada Santista e da Capital, em Santo André, Campinas e Valinhos,

tendo sido criada em 25 de abril de 2000 a Liga Interiorana de Tamboréu.
 
Meus amigos, minhas amigas: a rica História do Tamboréu registra grandes agremiações,  magníficos atletas e campeonatos emocionantes.  Por isso, peço licença neste momento para saudar clubes importantes como o pioneiro Grupo dos Graussás, o Clube Atlântico, o Fri - Kik, a Associação Atlética Banco do Brasil, o Brahm’s,  o Nosso Clube, o Esporte Clube Banespa, o Clube dos Tupis, o Clube dos Corretores de Café, o Clube Atlético Santista, o Boqueirão Praia Clube, o Caravelas, o Clube dos Estudantes, o Internacional Clube, o Internacional de Regatas, o Netuno, o Democrata, o Guaió, o Iara, o Moinho Santista, o Pic-Nic, o Círculo Operário do Embaré, o Fluminense, o Tamoios, o Portuários, o Cruzeiro, o Benjamim Constant, o Ypê, o Caiçara, o 2004, o Grêmio Guarda no Poste, o Tropical, o Unidos, e tantos outros. Incluindo, é claro, a gloriosa Sociedade Esportiva  Independente, presidida pelo Nilton e cujas cores tive a honra de defender no Futebol. 

Acima de tudo, o Tamboréu a cada dia solidifica a frase que diz que este é um esporte para fazer amigos. É o que faz  a chamada “família Tamboréu”.

A galeria de craques do Tamboréu é imensa e registra desde os grandes campeões até meros participantes de torneio. Mas como esta é uma noite de homenagens e de culto à memória , saúdo sinceramente neste momento todos os praticantes de Tamboréu do passado e  do presente. Vocês todos construiram uma bela História, uma grande epopéia.

Por tudo isso, mero admirador que sou, sinto-me muito honrado em ter atendido ao pedido da Liga Santista de Tamboréu,

através de seu Presidente Nilton Ramos Augusto e do colaborador Luiz Carlos Abranches,  e ter  apresentado e aprovado, com o voto de todos os Vereadores desta Casa, a Resolução nº 115, de 16 de agosto de 2007, criando a Medalha de Honra ao Mérito Donadelli, destinada a premiar os campeões de Tamboréu, além
de Personalidades e Entidades que tenham contribuído para o crescimento e a evolução deste Esporte.

De hoje em diante, esta premiação acontecerá todos os anos, numa justa homenagem a toda a família do Tamboréu, mostrando o reconhecimento deste Poder Legislativo e, consequentemente, do povo santista.

Rendo pois minhas homenagens sinceras a todos os premiados e suas respectivas famílias, bem como a todos os integrantes da Diretoria da Liga Santista, em especial ao seu Presidente Nilton Ramos Augusto, que tão bem conduziu todo este processo de criação deste Prêmio.
 
Por fim, gostaria de dizer que a luta que encampamos em favor do Tamboréu inclui o pedido ao Sr. Prefeito Municipal João Paulo Tavares Papa, para que fosse construída uma ou duas quadras de Tamboréu dentro do projeto de urbanização da Plataforma do Emissário Submarino, solicitação que infelizmente tem encontrado obstáculos.

No entanto, como alternativa surgiu a feliz idéia de criação de uma escolinha de Tamboréu, nas dependências do Clube Atlético Portuários, que mantém convênio com a Secretaria  Municipal de Educação. Este fato permitirá que a Liga Santista possa utilizar o Portuários durante os dias da semana, inclusive para o treinamento dos clubes..

Gostaria de dizer ainda que estarei sempre à disposição da Liga Santista e de todos os clubes e praticantes de Tamboréu, na defesa e na valorização deste esporte maravilhoso.

Aos atletas premiados este ano com a “Medalha Donadelli”, recomendo que lutem bastante para repetir o feito no ano que vem. E para aqueles que não foram premiados agora, aconselho que lutem ainda mais para conquistá-la.

Muito obrigado a todos.

BRAZ ANTUNES MATTOS NETO
Vereador -Líder do PPS