Codesp cede terreno para caminhoneiros

Ato de ocupação foi acompanhado por Constantino

Compartilhe!

1 curtiu

Depois de terem desocupado a área por força de liminar solicitada pela Secretaria do Patrimônio da União, os caminhoneiros autônomos foram autorizados pela Codesp a estacionar no terreno da Alemoa que era da Rede Ferroviária Federal. O retorno ocorreu na quarta-feira (dia 24/06) e teve uma surpresa: foram criadas vagas para 115 caminhões, o estacionamento será gratuito, haverá a instalação de banheiros químicos e um funcionário da empresa tomará conta do local durante o dia e à noite.

Segundo os estudos, as vagas permitirão atender até 200 caminhões por dia, já que o estacionamento será rotativo: os veículos poderão permanecer no local apenas por 48 horas. Após esse período, deverão sair, só podendo retornar depois de seis horas. Para usar o estacionamento, os motoristas deverão ser de Santos e terão que se cadastrar. Os caminhões deverão estar vazios.

O ato de reocupação do terreno foi acompanhado por autoridades, entre elas o vereador Manoel Constantino (PMDB), presidente da Comissão Especial da Câmara de Santos que estuda melhorias para o Porto. Para o vereador, foi uma vitória dos caminhoneiros “e o resgate de uma dívida que o Porto tinha para com as pessoas que participam e ajudam no seu crescimento”.

Constantino, que convocou uma reunião entre vereadores, caminhoneiros e autoridades da área portuária, para tentar encontrar uma saída para o impasse verificado com a ocupação do terreno há cerca de 20 dias, fez questão de agradecer à diretoria da Codesp, ao presidente do CAP, Sérgio Aquino, “e ao prefeito João Paulo Tavares Papa, que liberou o seu secretário de Assuntos Portuários e Marítimos para resolver essa questão”.

No seu entender, a reunião na Câmara foi importante para a conscientização de todos sobre a importância do estacionamento e “certamente serviu para ajudar na busca de soluções”.

“Agora temos que continuar evoluindo, buscando mais espaços, de modo a implantar definitivamente um estacionamento à altura do Porto. Foi uma grande vitória, mas ainda temos mais a conquistar nessa luta de mais de 20 anos pelo estacionamento de caminhões no Porto”, disse Constantino.

O vereador é de opinião que deve, agora, ser feito um bom trabalho de cadastramento e que a Codesp deve apoiar a organização dos caminhoneiros, a fim de que não surjam conflitos e problemas de disciplina.

Ocupação

A ocupação do terreno por caminhoneiros autônomos ocorreu há cerca de 20 dias. Cansados de, após a descarga das mercadorias, ter que estacionar os caminhões na área urbana, criando conflitos com os moradores, os caminhoneiros invadiram a área e estacionaram 25 caminhões no terreno, que pertencia à União.

A Secretaria do Patrimônio da União entrou com pedido de liminar na Justiça, solicitando reintegração de posse, o que foi atendido. Nesse meio tempo, o vereador Manoel Constantino convocou reunião na Câmara Municipal entre vereadores, caminhoneiros e autoridades da área portuária, quando surgiu a possibilidade de que os veículos voltassem a ocupar o terreno.

Essa possibilidade foi concretizada na quarta-feira, inclusive com a ampliação das reivindicações anteriores, já que a Codesp resolveu aumentar o número de vagas (inicialmente retornariam apenas os 25 motoristas que haviam ocupado o imóvel), instalação de banheiros e funcionário para cuidar da segurança dos caminhões.