Ato em homenagem a Manoel Fiel Filho

A Câmara de Santos realiza na terça feira, dia 17 de janeiro, homenagem à memória do metalúrgico Manoel Fiel Filho, que foi morto há 30 anos no cárcere do DOI-CODI.

Compartilhe!

Curtir

Confira carta-convite enviada pelo Vereador Benedito Furtado

Prezados Senhores,

O começo do fim da ditadura militar no Brasil tem sido atribuído à morte do jornalista Wladimir Herzog em 25/10/1975, nos porões do DOI-CODI, Em São Paulo. Não se pode negar esse fato. A repercussão de seu assassinato desencadeou um clima de comoção que, sem dúvida apressou o processo de redemocratização no país.

No entanto, Vlado não foi o único mártir nessa luta. Muitos outros tombaram e, entre eles, destaca-se o caso do operário Manoel Fiel Filho, levado para o DOI-CODI  por distribuir exemplares do jornal comunista Voz Operária. Ele morreu torturado em 17/01/1976- embora versão oficial também fale em suicídio, como o caso de Wladmir Herzog - e seu cadáver remexeu nas entranhas do poder, levando a exoneração do comandante do 2º Exército, sediado em São Paulo. Foi o confronto definitivo  entre a chamada linha dura do regime militar e aqueles que já pensavam em abertura. Como todos sabem, venceu alinha moderada e, a partir daí, instituiu-se o que a história chama de abertura lenta e gradual.

O sacrifício de Manoel Fiel Filho foi, por isso mesmo, um marco divisor, pois, ao levar os militares ao confronto, construiu um pouco mais de esperança para o povo brasileiro.
 
Em decorrência, ele merece e deve ser lembrado nestes 30 anos de sua morte, recebendo nossas homenagens e nossa reverência.

Assim, transmitimos convite para o Ato Público que será realizado dia 17 de janeiro, às 19 horas, na Sala Princesa Isabel, na Câmara Municipal de Santos, Praça Mauá s/nº, com a participação de representantes dos partidos políticos, sociedade civil organizada, entidades estudantis , organizações não-governamentais  e o povo em geral.

Esteja certo de que sua presença abrilhantará sobremaneira esse Ato, que busca, na homenagem póstuma, os princípios  de justiça que lhe foram  negados em vida.

 

Atenciosamente,

BENEDITO FURTADO
VEREADOR- PSB