Vereador defende participação de cooperativas no sistema de coleta seletiva

Proposta inserida na LDO começa a ser colocada em prática

Compartilhe!

2 curtiram
A integração da ONG Sem Fronteira no sistema de gestão de resíduos sólidos de Santos é, na opinião do vereador Sadao Nakai (PSDB), o primeiro passo para tornar o serviço de coleta, transporte, triagem e comercialização do lixo limpo mais eficiente. Termo de cooperação técnica com a ONG foi firmado pela Prefeitura.
 
Defensor da ideia, Sadao foi autor de emenda apresentada ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016, determinando a integração das cooperativas de catadores e de reciclagem no sistema. "A reciclagem contribui para a diminuição significativa da poluição, garante mais tempo de vida ao aterro e, de forma organizada, pode gerar renda", argumenta o vereador.
 
Em 2015, Sadao Nakai realizou audiência pública promovendo o diálogo entre as cooperativas de catadores e a Prefeitura. Depois do debate, o parlamentar encaminhou uma série de requerimentos à Administração e também emendas à LDO. Entre as propostas aprovadas, a instalação de mais dois galpões de triagem para seleção, separação e classificação dos resíduos provenientes da coleta seletiva, e a implantação de cinco Pontos de Entrega Voluntária em Santos.
 
Outra emenda de Sadao à LDO/2016 prevê a integração dos 123 carrinheiros cadastrados pela Secretaria de Assistência Social no serviço de coleta seletiva e reciclagem. "Fomos umas das primeiras cidades do país a implantar um programa de coleta de lixo limpo, em 1990. Começou em 9 bairros e, em 1995, já atendia toda a área insular da cidade. No entanto, o volume de lixo reciclável coletado ainda está muito baixo. Entendo que a integração de cooperativas na gestão dos resíduos sólidos com certeza vai ajudar a aumentar a eficiência desse sistema."
 

Crédito da imagem: Rogerio Bomfim/PMS
Assessoria do vereador Sadao Nakai
imprensasadao@gmail.com
(13) 3211-4179