Vereadora propõe parcerias para controle de pombos

Aves fazem parte do ecossistema, mas trazem riscos à saúde

Compartilhe!

Curtir
Mapear a cidade para definir as ações que devem ser tomadas no Porto e nos bairros. Esta foi uma das propostas aprovadas na audiência pública que tratou da Hiperpopulação de Pombos – soluções e metas para o futuro. A reunião contou com representantes da Codesp, Ibama e da Secretaria de Vigilância Sanitária, além dos vereadores, Fernanda Vannucci (PPS), autora do requerimento que propôs o debate, Murilo Barletta (PR) e Benedito Furtado (PSB) e o veterinário Eduardo Filetti.
 
O aumento do índice populacional da ave é consequência da ausência de única ação definida para o controle de natalidade da espécie, principalmente na região portuária. De acordo com a superintendente de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Codesp, Alexandra Sofia Grota, desde 2010 são feitos estudos para diagnosticar a presença dos pombos nas áreas comuns e arrendadas, bem como a adoção de medidas para a redução da população.
 
 “A Codesp tem uma preocupação grande com a movimentação dos terminais arrendados. Por isso são exigidas das empresas ações de prevenção para evitar a proliferação dos pombos, como controlar o vazamento dos grãos que caem dos caminhões que transportam granéis sólidos além do fechamento das moedas pelos terminais”, diz Alexandra.
 
O levantamento, feito pela Codesp, levou à elaboração de um termo de referência prevendo atitudes. Porém, a companhia ainda busca informações e segue planejando estratégias para o controle populacional dos pombos. A chefe do Ibama, Ingrid Furlan Oberg, afirma que não há solução única para o controle populacional. “Vivemos com um dilema nesta questão, pois há várias propostas, mas nada que efetivamente tenha sido eficaz. Importante lembrarmos que o pombo faz parte do ecossistema e que seu controle é válido na medida em que não cause danos”.
 
Em sua apresentação o veterinário, Eduardo Filetti foi enfático ao dizer que o aumento dos pombos na cidade se deve às atitudes tomadas pela própria população. “As pessoas contribuíram para a hiperpopulação dos pombos. Temos que conviver com a ave”, argumenta. Filetti defende o controle por meio do uso de anticoncepcionais nos alimentos e a instalação de pombais. “Em países da Europa a quantidade de pombos em praças se tornou atrativo turístico. As pessoas jogam alimentos, sim, mas que contém esses anticoncepcionais e acabam evitando a proliferação desta ave”.
 
A vereadora Fernanda Vannucci destacou como uma das prioridades a conscientização da população sobre a maneira de lidar com esses animais. Fernanda também propôs a atuação integrada de secretarias, universidades e empresas do Porto com o objetivo de mapear a cidade e planejar as medidas necessárias. “Precisamos ter um diagnóstico da cidade? Em quais bairros os pombos estão presentes? De que forma eles se alimentam? Quais os riscos que eles representam para a saúde da população? As respostas virão a partir da parceria entre todos e a execução do trabalho em rede”, argumentou a vereadora ao elencar as sugestões apresentadas para encaminhamento à Prefeitura.

Assessoria de imprensa da vereadora Fernanda Vannucci
Silvia Barreto
(13) 3211-4165/(13)3219-4653/(13)7803.4968 - ID: 85*19414