Projeto quer reduzir erros

Outra proposta cria o Dia da Fibromialgia

Compartilhe!

Curtir
O vereador Evaldo Stanislau (PT) apresentou dois novos projetos de lei na área da Saúde. Um deles cria a 'cadeia de segurança' para aplicação de medicamentos nos hospitais da cidade, visando reduzir erros neste procedimento. O outro inclui no Calendário Oficial de Santos o Dia Municipal de Conscientização da Fibromialgia, a ser celebrado anualmente em 12 de maio. O parlamentar é presidente da Comissão Permanente de Saúde da Câmara de Santos.

“Os serviços de Saúde precisam ser constantemente aprimorados para proporcionar cada vez melhor atendimento à população. É com este objetivo que apresento estas duas proposituras que nascem do contato direto com a realidade vivida pela sociedade”, explica o parlamentar. O projeto da Fibromialgia, por exemplo, nasce de uma reivindicação da Associação Brasileira dos Fibromiálgicos (Abrafibro).

No projeto sobre o novo sistema de controle de aplicação de medicamentos, ao ser separado no almoxarifado ou farmácia da unidade hospitalar, a medicação ganhará um controle por código de barras. O mesmo código ficará numa pulseira usada pelo paciente. Antes de aplicar a medicação, o profissional responsável fará a verificação dos códigos com um leitor digital. Caso haja algo errado, um alerta de segurança será emitido, evitando a ministração do remédio não prescrito.

Ao aplicar o medicamento, o profissional também fará o registro do código de barras de seu crachá. "Assim, cai a chance de erro, ao mesmo tempo em que é possível identificar todos os responsáveis pela aplicação da medicação", explica o parlamentar. Quando forem medicamentos de 'alta vigilância', além do monitoramento pelo código de barra, adotarão outras medidas de controle ainda mais específicas. Se aprovado, o projeto entrará em vigor 180 dias após a sanção pelo prefeito.

Doença nova
A fibromialgia é uma doença relativamente nova. Somente em 2004 recebeu um CID definitivo da OMS. É difícil de ser diagnosticada, porque não há exames laboratoriais que a identifique. Estimativas apontam que entre 2% e 3% da população brasileira tem a doença, que se manifesta principalmente com dores por todo o corpo. Ouros sintomas são a fadiga, sono não reparador, problemas de memória e concentração, ansiedade, formigamentos, dormências, depressão, dores de cabeça, tonturas e alterações intestinais.

“Com a criação desta data, a ideia é contribuir para levar à população mais informações sobre a doença e suas formas de tratamento”, explica Evaldo Stanislau.

Assessoria do vereador Evaldo Stanislau
Reginaldo Pacheco e Lane Valiengo
(13) 3219-1890