Comissão de Saúde convoca urgente audiência pública

Tema discutido são as mortes por infecção bacteriana

Compartilhe!

Curtir
A Comissão de Saúde da Câmara de Santos convocou, em caráter de urgência, uma audiência pública, para discutir a ocorrência de duas mortes por infecção bacteriana, no início desse mês, na UTI do PS Central de Santos. Articulado pelo presidente do órgão, vereador Evaldo Stanislau (PT), o encontro acontece nesta quarta-feira (dia 19), a partir das 18h, no auditório Zeny de Sá Goulart, na sede do Legislativo.
"A situação é grave e exige medidas contundentes. A primeira delas é a Secretaria Municipal de Saúde reconhecer que o problema existe e agir com efetividade", enfatiza o vereador Evaldo, que é médico infectologista e esteve no local, após receber a denúncia das mortes. Lá, constatou que os médicos prescreveram a medicação adequada para combater a infecção – a Polimixina B. "Porém, não havia em estoque e não foi efetuada a compra emergencial", acrescenta.

Interdição 

Quando esteve na UTI do PS Central, o parlamentar identificou uma série de problemas com a assepsia do local, o que contribui para a disseminação de vírus e bactérias. "A solução mais acertada é a interdição da unidade para a total desinfecção. É radical, mas é assim que tem que ser diante da situação atual", enfatiza o vereador Evaldo, citando como exemplo medida semelhante adotada em Guarulhos.
Na cidade da Grande São Paulo, o pronto-socorro do Hospital Municipal de Urgência ficou nove dias fechados, entre 23 de junho e 2 de julho desse ano. A unidade foi interditada por causa de uma bactéria super resistente, que havia infectado dez pacientes, levando quatro deles à morte. E só foi liberada após uma série de medidas para desinfecção e a Vigilância Sanitária constatar que o ambiente estava apto.
 
Caso de Polícia

Indignado com a situação do PS Central, após dois anos e meio denunciado irregularidades e apontando caminhos, o parlamentar pediu investigação policial para apurar responsabilidades por conta das mortes desse mês. Uma queixa-crime foi protocolada no segundo Distrito Policial da cidade, onde já foi aberto um inquérito. "É lamentável que tenhamos chegado a este nível. Mas não vou compactuar com o descaso com a vida humana", sentencia o vereador Evaldo Stanislau.
 
Participação popular

Para a audiência pública desta quarta-feira, o presidente da Comissão de Saúde está convidando órgãos médicos, associações de classe, sindicatos, Ministério Público, Conselho Municipal e outras entidades representativas da sociedade civil. "A participação popular é essencial para pressionar o Governo Municipal a agir, não com obras futuras, mas com medidas presentes", conclui o parlamentar.  


Assessoria do vereador Evaldo Stanislau
Reginaldo Pacheco e Lane Valiengo
(13) 3219-1890